ARTESÃOS SE REVOLTAM COM O MINISTRO DA EDUCAÇÃO

O Ministro da Educação, com sua infeliz frase sobre “vida fácil”, demonstrou total desconhecimento do que é ser artesão no Brasil.

“Desespero na UNE! Fim da mamata! Mas, tenham compaixão. Enviem sugestões para a UNE sair dessa (comuna adora grana/vida fácil). Segue a minha: artesanato. Grupos de trabalho (experiência nova) fariam cachimbos de epóxi decorados (duendes, dragões). Mas não podem testar antes”, postou o ministro, que também publicou um vídeo que detalha o funcionamento da nova documentação. – Abraham Weintraub”

Se ser artesão fosse fácil, estariam todos milionários e curtindo a vida…Mas não é…Apesar de sermos 8,5 milhões de brasileiros, responsáveis por 3% do PIB brasileiro, vivemos à mercê de mudanças continuas nas legislações tributárias, leituras totalmente diferenciadas das Secretarias de Fazenda de todos os estados brasileiros (cada um faz a sua leitura de interpretação de leis e que muitas vezes mudam de cidade em cidade).

O Ministro devia respeitar mais o segmento artesanal. Afinal, o artesanato é o único segmento brasileiro que pode comemorar em 21 de abril, 519 anos de exportação para a Europa, quando Pero Vaz Caminha, enviou ao Rei de Portugal um colar de continhas brancas e um cocar de penas vermelhas – segundo a história.

O artesanato é o único segmento para ocupação imediata de um brasileiro, nos momentos de desemprego, haja visto que hoje temos milhares – senão milhões, de brasileiros com curso superior que vivem do artesanato.

O artesanato devia sim é fazer parte do curriculun escolar, de forma que não perdêssemos centenas de técnicas milenares, já que a grande maioria das escolas – principalmente rurais, não se preocupam em ensinar a valorizar nossos ancestrais, perpetuando ofícios que acabam se perdendo com o tempo.

Outro dia, o Presidente Bolsonaro falou mal das Ongs – generalizando de que ONG é corrupta, sendo que a grande maioria do artesão – principalmente do campo, se organiza através destas. Agora vem o Ministro da Educação dizer que trabalho fácil é fazer artesanato.

Eu desafio o Ministro a viver dois meses que seja, fazendo artesanato e tentando manter o mesmo nível de vida que tem hoje, vendendo artesanato.

1 comentário sobre “ARTESÃOS SE REVOLTAM COM O MINISTRO DA EDUCAÇÃO”

  1. Decepcionante saber que estas palavras proferiram da boca do ministro da educação, isto nos leva a crer que ele tem pouco conhecimento e sendo um profissional desta área deveria se atentar mais aos seus comentários e pesquisar um pouco mais antes de se pronunciar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *