SICAB – Classificação do Artesanato Brasileiro.

O Programa de Artesanato Brasileiro, criou em 2018 uma classificação do que pode ser considerado como artesanato.

Apesar de ser um fio condutor, eu questiono alguns critérios.

Lá eles definem:

Artesão é toda pessoa física que, de forma individual ou coletiva, faz uso de uma ou mais técnicas no exercício de um ofício predominantemente manual, por meio do domínio integral de processos e técnicas, transformando matéria-prima em produto acabado que expresse identidades culturais brasileiras.

Artesanato é toda produção resultante da transformação de matérias-primas em estado natural ou manufaturada, através do emprego de técnicas de produção artesanal, que expresse criatividade, identidade cultural, habilidade e qualidade.

Lá diz também que o artesão NÃO PODE ter ajudantes, mas por outro lado o proprio programa incentiva que o artesão se organize em MEI que permite ter um ajudante.

Agora o pior pra mim é a questão da matéria prima.

Biscuit, parafina, reciclados – se usa esta matéria prima esta fora…Conheço produtos de croché (elegivel) horrorosos, e conheço produtos de biscuit (não elegiveis) maravilhosos, totalmente feito a mão – inclusive a matéria prima e que representam imagens de cultura local. Conheço frutas de ceramica que nem da para identificar do que se trata, mas conheço frutas feitas de parafina que dá vontade de comer de tão perfeito que é…Agora, parece que reciclado de material não vale a tecnica e nem o produto final, mas a matéria prima?

Outra questão – que adoro dar este exemplo: qual é a diferença entre um artesão comprar um pedaço de madeira, riscar, cortar na serra tico tico, pregar com prego ou cola e fazer um carrinho ou caminhão, de uma costureira que compra um retalho de tecido, corta um a um e costura numa máquina de costura, fazendo um abadá para sair num bloco?

Acho que o PAB deveria repensar os seus critérios. Sei que temos o artista popular, o autodidata, os mestres, mas temos também o produtor artesanal que esta num processo de produção manual de algo que poderia vir a ser industrializado.

Um tapete no tear mineiro, por exemplo – se o artesão quiser industrializa (logico que ai deixa de ser artesão) e temos o arraiolo, que a máquina nunca vai conseguir substituir o ponto (pode imitar – não substituir).

Gosto muito do que acontece na Europa – principalmente na Alemanha, Italia e França – artesão é todo aquele que produz algo manualmente…ai entra o ceramista, o eletricista, o padeiro, o entalhador, etc…desde que estejam num processo de produção manual é artesão!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *